SF2I – Guerra dos Seis Dias – Missão #07

Status da Campanha:

Apesar do aumento das pressões internacionais para que Israel aceite o cessar-fogo proposto pela Jordânia, as operações ofensivas prosseguem.

Briefing:

Nossa missão será escoltar dois Mystère IVA, código de chamada DODGE, que executarão um ataque a alvos na área de Tyre, no sul do Líbano. Esta será uma missão curta, próximo à fronteira.

A nossa esquadrilha, código de chamada BISON, será formada por 4 Shahak.

Um par de Vautour IIA, código de chamada COWBOY, executará a supressão da defesa aérea na área do alvo.

Missão:

Decolamos após os Mystère e Vautour e tomamos a proa para o ponto de encontro com a esquadrilha DODGE. Por ser uma missão curta temos pouco tempo após a decolagem se quisermos alcançar os aviões de ataque, antes deles chegarem na área do alvo.

Após a passar pelo ponto de encontro, uma das aeronaves de ataque alerta sobre a aproximação de caças inimigos.

Vejo os caças inimigos, 4 Hunters, 9 horas a esquerda em nível. Solto os tanques alijáveis e inicio uma curva a esquerda para enfrentar os Hunters que tentam se aproximar dos aviões de ataque.

Ordeno ao segundo elemento para engajar os bandidos, e ao meu ala para ficar na cobertura. Logo estou atrás de um dos Hunters que abandona sua perseguição aos Mystère.

“DODGE Líder, começando o ataque”, escuto entre a mensagens das várias aeronaves e do controle de solo. Os Mystère soltam suas bombas e rumam para o ponto de saída, sobre o mar.

Então dois MiG-17 alcançam os Mystère enquanto estes saiam da área do alvo e derrubam um dos aviões de ataque.

Aproveito a primeira oportunidade para desengajar do Hunter a minha frente, abaixo o nariz do Shahak e aciono o pós-combustor no máximo. Sou seguido por BISON 13 e 14, além de alguns Hunters.

O Mystère sobrevivente está sobre o litoral, ao me aproximar os MiGs se separam, vou atrás do MiG que virou para o sul.

Disparo meus dois Shafrir contra o MiG, mas os mísseis perdem o rastro do alvo. Com a velocidade muito superior a do MiG, a distância se reduz rapidamente e abro fogo com os canhões. Os projéteis arrancam a cauda do MiG-17 que mergulha no mar.

Volto a engajar novamente os Hunters que ainda combatem dois dos meus alas. Só que, agora são seis Hunters e não quatro. De onde vieram estes outros dois Hunters?

Estamos totalmente na defensiva. BISON 13 é o primeiro a ficar sem munição, em pouco tempo praticamente todos estão na mesma situação. O combustível também passa a ser um problema. BISON 14 só tem o suficiente para retornar a base.

Ordeno a esquadrilha que reagrupe. Neste momento, BISON 13 é derrubado por um dos Hunters. Solicito reforços, mas não outros caças disponíveis. Parece que vamos ter que abrir o nosso caminho a força.

Aos poucos os Hunters libaneses começam a retornar as suas bases. Porém os dois Hunters jordanianos, que chegaram depois, perseguem BISON 14.

Tenho combustível suficiente apenas para retornar a base, BISON 14, que também tem pouco combustível e está sem munição, está cerca de 5 milhas atrás de mim, com dois Hunters em perseguição. Não faço a menor idéia de onde está BISON 12.

Tenho que escolher entre prosseguir para a base e correr o risco de perder mais um ala. Ou enfrentar os Hunters com o que me resta de munição para fazê-los desistir, e correr o risco de não ter combustível suficiente para chegar na base.

Faço uma curva a esquerda para encarar os bandidos, tentando fazer com que eles desistam de BISON 14. A tática funciona, mas agora os dois vem atrás de mim.

Mergulho para ganhar velocidade, acionar o pós-combustor só irá desperdiçar o pouco combustível que me resta. Desço o máximo possível virando o avião para esquerda e para a direita, tentando não ser um alvo fácil para os Hunters. BISON 12 estava mais perto que eu pensava e dispara um Shafrir contra um dos jordanianos, sem sucesso.

Os Hunters disparam várias vezes, mas pra minha sorte sua pontaria não é das melhores. Então após contornar um morro, percebo um clarão vindo atrás da minha aeronave.

Uma das baterias de SAM Hawk acerta o Hunter que me perseguia. Nunca achei que iria agradecer a pela existência dos SAMs, mas este salvou minha pele. Vejo a trilha de fumaça de outros mísseis, disparados contra o outro Hunter. Mas este consegue escapar aos mísseis e se retira.

Livre da ameaça dos caças inimigos, tomo a proa direta para a base. Mas uma olhada no marcador de combustível mostra que meus problemas estão longe de acabar. Os tanques estão praticamente vazios e o motor está funcionando no cheiro. Inicio uma subida pois tenho certeza que o motor vai apagar antes de chegar à base e eu vou precisar de altura suficiente para tentar planar.

Como imaginei o motor apaga por falta de combustível antes de alcançar a base. Apesar das grandes asas em delta o Shahak não é o que se pode chamar de um planador nato, está mais para tijolo com barbatanas. Sem altitude suficiente para planar até a base, não resta outra aternativa a não ser abandonar o avião.

Debriefing:

A missão foi considerada bem sucedida, com pelo menos um Mystère retornando do ataque. Nosso esquadrão perdeu dois aviões e um piloto.

Avançam as negociações da proposta de cessar-fogo efetuada pela Jordânia.

Anúncios

Um comentário em “SF2I – Guerra dos Seis Dias – Missão #07

  1. Pingback: SF2I – Guerra dos Seis Dias | FL Zero

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s